quarta-feira, 24 de agosto de 2011

no jardim

Sabem qual é a maior riqueza dos EUA? O espaço. Espaço para andar, espaço para brincar, espaço para respirar, espaço para esticar braços, pernas, ideias, tudo o que quisermos. Depois de tanto espaço, vai custar-nos voltar a estar confinados a dimensões mais reduzidas.
Um dos nossos espaços preferidos daqui é o jardim. É onde fazemos casinhas para os duendes, piqueniques na Primavera, jogamos à bola no Verão, apanhamos galhos para a lareira no Outono, e escorregamos de tobogã no Inverno. É um jardim sem cercas, sem fim, que se prolonga pela floresta, até ao canal, e onde podemos encontrar cobras, esquilos, marmotas, veados, ou até alguns ursos pretos mais atrevidos. O melhor de ter passado estes anos do outro lado do mar foi, sem dúvida, a possibilidade de fazer da Natureza o jardim das traseiras na primeira infância dos nossos filhos.


2 comentários:

Gil disse...

Absolutamente brutal. É cada vez mais um luxo cá pelas Europas. E psicologicamente é tão importante o conforto de se ter espaço...

Costinhas disse...

brutal!

(eu sei que repeti o gil ali de cima, mas foi a primeira coisa que me saiu quando vi as imagens :p)